Municípios da Grande Vitória novamente no ranking dos mais violentos do mundo

Publicado em: 9 de Março de 2018

A Grande Vitória figura mais uma vez na lista das 50 áreas urbanas mais violentas do mundo, segundo o estudo da ONG mexicana “Seguridad, Justicia y Paz” (Segurança, Justiça e Paz). A capital capixaba e os demais seis municípios da região metropolitana – Serra, Vila Velha, Cariacica, Guarapari, Viana e Fundão, em ordem decrescente de número de habitantes – ocupam a 49ª posição do ranking, com 707 homicídios registrados em 2017.

O levantamento é feito anualmente com base em taxas de homicídios por 100 mil habitantes e pesquisa as áreas urbanas com mais de 300 mil habitantes ao redor do planeta. No relatório completo do estudo, em espanhol, a entidade explica que o número de homicídios foi obtido com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) e os dados sobre a população, com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas os índices devem ser maiores, já que há contestações de entidades do Estado sobre os números apresentados pela Sesp.

Liderando as estatísticas capixabas, está a Serra, com 305 homicídios. Em seguida, Cariacica, com 177 mortes, seguido por Vila Velha, com 164, e Vitória, com 87 assassinatos. Os quatro municípios metropolitanos somaram 733 assassinatos no período, o equivalente a 52,24% do total. No interior do Espírito Santo, Linhares se sobressaiu, com 87 mortes, seguido por São Mateus, com 67, Cachoeiro de Itapemirim, com 31, e Colatina com 30, totalizando 215 registros. Juntos, os oito municípios mais violentos somaram 948 mortes violentas, correspondendo a 67,56% do total no Espírito Santo.

Objetivo político 

A Segurança, Justiça e Paz diz que elabora o ranking com “o objetivo político cidadão de chamar atenção à violência nas cidades, sobretudo na América Latina, para que governantes se vejam pressionados a cumprir com seu dever de proteger os governados e garantir seu direito à segurança pública”.

A organização usa como critério a taxa de homicídios por 100 mil habitantes oficial em cidades de 300 mil habitantes ou mais, além de fontes jornalísticas e informes de ONGs e organismos internacionais.

São excluídas do levantamento cidades de países em conflito bélico aberto, como Síria, Iraque, Afeganistão e Sudão, sob a justificativa de “a maioria das mortes violentas (nessas cidades) não corresponderia à definição universalmente aceita de homicídio, mas sim mortes provocadas por operações de guerra, segundo a classificação da OMS”.