Mobilizações, lançamento de projeto e coleta de assinaturas marcam o 1º ano do FAMCAP

Publicado em: 1 de novembro de 2018

O Fundo de Amparo aos Militares Capixabas (FAMCAP), criado no dia 3 de fevereiro de 2018, na primeira assembleia geral da Associação de Cabos e Soldados realizou diversas mobilizações ao longo deste ano. A ação considerada mais importante foi a criação do Projeto de Iniciativa Popular de Anistia aos Militares Capixabas que teve como mentores intelectuais o presidente e o 2º secretário da entidade.

A ex-sargento Michele Ferri, presidente do Fundo, conta que quando ele foi criado já esperava que o número de militares excluídos fosse o total que se tem hoje: 22 ex-policiais que são beneficiados pelo amparo.

“Estávamos nos preparando psicologicamente para o momento que vivemos atualmente e conseguimos pagar o valor de teto aos excluídos, que é o subsídio de Soldado”, afirma.

Já o tesoureiro do FAMCAP, Cabo Pesca, informa que o fundo trabalha com déficit porque com a contribuição em forma de cota extra na mensalidade dos associados no valor de R$ 10 por mês ainda é menor que o montante pago aos beneficiados.

“Conseguimos fazer um fundo de reserva nos primeiros meses de criação do FAMCAP, pois não eram tantos militares. Quando esse fundo de reserva acabar, iremos ratear o montante arrecadado dos associados entre os excluídos. Infelizmente a injustiça contra os nossos irmãos de farda ainda não acabou. Enquanto este governo estiver no poder haverá exclusões. O auxílio financeiro ajuda, mas não paga as perseguições e humilhações que sofremos. Ele não substitui a vontade que temos de voltar à ativa. O que recebemos não substitui a farda que arrancaram de nós”, diz Cabo Pesca.

Ações realizadas em 2018

As ações mais contundentes realizadas pelo FAMCAP foram as mobilizações contra o atual governo, Paulo Hartung. Os militares beneficiados, seus parentes e amigos marcaram presença em eventos oficiais e desfiles cívicos para tornar público e de conhecimento da sociedade as reivindicações do Fundo e a realidade vivida pelos Policiais Militares.

“Fomos em massa ao desfile da Colonização do Solo Espirito-santense, em Vila Velha e não teve como os representantes do governo não nos ver porque todos nós nos posicionamos em frente ao palanque das autoridades com faixas e cartazes”, relembra Michele Ferri.

Os diretores do FAMCAP conseguiram debater a anistia administrativa na Assembleia Legislativa com a ajuda do presidente da Associação de Cabos e Soldados, o Sargento Renato Martins e do deputado estadual Gilsinho Lopes. A audiência pública que debateu o tema aconteceu no mês de abril.

“Após o evento 29 dos 30 deputados estaduais assinaram o indicativo da proposta de anistia  que foi encaminhada para o governador Paulo Hartung que na sua forma autoritária de governar engavetou o projeto como forma de punir a tropa devido o movimento de fevereiro de 2017”, conta Cabo Pesca.

As mobilizações não pararam, em junho o FAMCAP e a ACSPMBMES lançaram o Projeto de Iniciativa Popular de Anistia aos Militares Capixabas que contou com autoridades políticas e civis, além de líderes comunitários, religiosos, Policiais Militares e seus familiares e amigos.

“Depois disso fizemos vários eventos para coletar assinaturas. Percorremos todo o Espírito Santo e conseguimos 34 mil assinaturas, o que supera as expectativas porque precisávamos de 27 mil”, afirma a presidente do Fundo, Michele Ferri.

Atualmente as pastas de assinatura estão sendo organizadas  e a conferência das assinaturas válidas já está na reta final para que o projeto seja protocolado ainda em 2018 na Assembleia Legislativa.

“Acreditamos que o governador eleito, Renato Casagrande reverterá todas as injustiças cometidas contra nós. 2019 será um cenário favorável  para nós”, Michele

Associe-se à ACSPMBMES, clique aqui!

Produção: Mary Dias  (assessoriadeimprensa@acspmbmes.com.br) .