Campanha em 17 bairros da Grande Vitória só pode acontecer com a liberação de traficante

Publicado em: 17 de setembro de 2018

Em 17 bairros da Grande Vitória não são apenas moradores que sofrem com as regras impostas pelo tráfico. Até mesmo na política, a força exercida pelos traficantes tem interferido nas campanhas de candidatos à eleição do dia 7 de outubro. É o que contam moradores, cabos eleitorais e algumas lideranças dessas regiões. Por medo de represálias, eles preferiram, em alguns casos, não se identificar.

Segundo os relatos, em determinados bairros, os candidatos só conseguem transitar acompanhado das lideranças comunitárias. No caso de se aventurarem a ir apenas com a equipe de campanha, eles não conseguem ultrapassar o limite que separa a entrada do interior da localidade.

Em Cariacica, por exemplo, os cabos eleitorais do candidato a deputado estadual, o vereador Sérgio Camilo (PSC), contam que, em comunidades como Flexal, Santana e Mucuri e Nova Rosa da Penha, por exemplo, já houve casos de expulsão de toda a equipe, com arma apontada para eles.

Uma integrante do comitê contou que, no bairro Nova Rosa da Penha, o grupo foi “fechado” por motociclistas que chegaram a apontar arma para a equipe, dizendo que eles tinha cinco minutos para deixar a comunidade.

Ainda segundo a funcionária, pesa sobre o candidato o fato de ele ser investigador da Polícia Civil. Ela também conta que o vereador improvisou um comitê de campanha em casa, para receber os eleitores, evitando sair para os bairros mais perigosos.

Já Sérgio Camilo fala em precaução. “Esse pessoal não tem nada a perder”, comentou. Enquanto isso, em bairros como 1º de Maio, em Vila Velha, como contou a liderança comunitária do local, os candidatos só transitam junto ao líder comunitário.

A PMES informou para a reportagem de A Tribuna que não recebeu nenhuma reclamação, já os candidatos, segundo a matéria estão minimizando os riscos e o presidente da Associação de Cabos e Soldados, Sargento Renato Martins diz que a situação é real e que a tendência é ficar ainda pior. O presidente da entidade também afirmou que os políticos devem conhecer a realidade porque passam seu mandato inteiro longe da população e que sempre a conta cai ‘nas costas’ do Policial Militar que é extremamente desvalorizado.

“Essa não é uma realidade vivida só pelos políticos em campanha, mas de toda a sociedade que tem o seu direito de ir e vir cerceado pela criminalidade. Esta realidade mostra para o político que passa o mandato tão longe da população como o problema é sério. Nós não temos estrutura para colocar um policial para cada cidadão, a polícia é muito desvalorizada e tudo acaba sendo jogado na nossa conta”, afirma.

Confira os bairros onde as campanhas políticas só acontecem com a autorização do traficante que comanda o local:

Cariacica – Flexal, Santana, Mucuri, Industrial e Nova Rosa da Penha

Vila Velha – Ilha dos Aires, Jaburuna, Cobi de Baixo, 1º de Maio e Chácara do Conde

Vitória – Bairro da Penha, Gurijica, Morro da Fonte Grande e Piedade

Serra – Barcelona, Taquara I e Serra Dourada I

Associe-se à ACSPMBMES, clique aqui!

Produção: Mary Dias com informações de Tribuna Online