ACS participa de chamamento à doação do Clube Saldanha da Gama

Publicado em: 8 de Fevereiro de 2018

A Associação de Cabos e Soldados tem interesse na sede do Clube Saldanha da Gama que será doado pela prefeitura de Vitória. A Secretária de Desenvolvimento de Vitória abriu edital de chamamento de interessados com as regras para o repasse do imóvel e a ACS já protocolou ofício na secretaria manifestando interesse em receber a sede do Clube Saldanha da Gama.

A concessão depende única e exclusivamente da avaliação da Secretaria de Desenvolvimento de Vitória e segundo o vice-presidente da ACSPMBMES, Cabo Noé, a associação aceitou este desafio para engrandecer a entidade e preservar o patrimônio histórico capixaba.

“Será uma grande conquista não só para os associados da ACSPMBMES, mas também para toda a sociedade capixaba através da preservação do patrimônio histórico e incentivo ao turismo”, afirmou.

A prefeitura de Vitoria tomou a decisão de doar o imóvel depois de duas tentativas de venda em 2017, mas a venda foi frustrada por falta de interessados no Clube Saldanha da Gama. Caso haja, além da ACSPMBMES outros interessados, todos participarão da concorrência pública nos termos da lei orgânica. Mas, caso tenha apenas um interessado, a concorrência será dispensada.

Sendo contemplada e recebendo o imóvel a ACSPMBMES planeja futuramente utilizar o espaço para desenvolver no local atividades sociais e esportivas aos associados e também para a comunidade da capital.

Sobre o Forte São João

O Forte São João foi edificado no período colonial para proteger a cidade dos invasores. A fortaleza teve um papel imprescindível na defesa da Capitania do Espírito Santo, principalmente a partir de 1592, quando o navegador inglês Candish, temido em todo mundo, ameaçava invadir a ilha.

Em 1767, a edificação ganhou peças de artilharia e enormes paredes de pedra que transformaram o Forte em uma figura imponente de defesa territorial. O Clube de Regatas Saldanha da Gama comprou a antiga edificação do Forte São João, em 1931. Apesar da prática de esportes ser a sua principal atividade, o Saldanha, a partir da década de 20, passou a investir em festas, concursos e eventos que animavam a elite capixaba.

Sempre contando com a influência de seus associados, passou por muitos reparos e reformas até 1984, quando se tornou um imóvel tombado pelo município. A partir daí, nenhuma obra que descaracterizasse a arquitetura original foi realizada. A muralha do clube é tombada em nível estadual e considerada de interesse de preservação.

Reportagem: Mary Dias